$12.000 é a “Última Grande Resistência da Bitcoin”, Então, Aproveite o Passeio & Compre as Dips

Apesar de apenas 61,5% de ganhos em 2020 até agora, Bitcoin continua sendo o melhor investimento, batendo ouro, S&P 500, USD, e WTI.

A Bitcoin registrou apenas 61,5% de ganhos em 2020 até agora, mas mesmo assim, é o melhor investimento.

Em comparação com os ganhos de dois dígitos do Bitcoin, o S&P 500, que atingiu brevemente um novo ATH na semana passada, teve apenas 4,40% de retorno YTD e US Dollar 2,90%. Enquanto isso, a WTI teve ganhos de dois dígitos de retorno de 32%, mas em negativo (perdas).

O ativo tradicional de refúgio-seguro, o ouro, aproximou-se do bitcoin mas permanece longe, com ganhos de quase 28% depois de atingir um novo pico de 2.085 dólares.

Portanto, após ser o melhor investimento da última década, não será uma surpresa se continuar nesse caminho ainda.

Já estamos no início de uma corrida de touro que verá a BTC atingir novos máximos.

Por exemplo, a seu preço atual, 95% dos UTXOs Bitcoin estão em lucro, e acima deste nível são “características das corridas de touro”.

Movendo-se em frente

Atualmente, “os clusters de baleias não gastas confirmam uma grande batalha que está ocorrendo”, diz o analista David Puell que compartilha o longo caminho desde 2017 no topo.

Aqui estão em jogo dois atores, “os principais compradores a 12k-14k atingindo seu preço de equilíbrio, e os atuais compradores ativos após a primeira maior alta em mais de um ano”.

Neste ponto, se conseguirmos uma correção, o que não seria surpresa, já que o bitcoin teve muitos retrocessos em sua jornada para a nova ATH também no ciclo anterior, “muito provavelmente resultará em outro grande cluster de re-acumulação na área 10k”.

E “se nós nos separamos, bem, foda-se… aproveitem o passeio”, disse Puell.

O nível $12k

O último ano e meio resultou em algumas das “estruturas de mercado mais interessantes em qualquer ciclo Bitcoin”. Durante este tempo, o principal ativo digital fez várias tentativas de uma tendência “típica” de alta, com uma narrativa forte de redução pela metade.

Mas o mercado foi atingido por dois cisnes, um após o outro. O primeiro foi o esquema chinês PlusToken, no valor de 3 bilhões de dólares, cujos perpetradores foram apanhados pela polícia recentemente, acabando finalmente com a pressão de venda.

O segundo evento de cisnes foi a pandemia COVID-19 que viu a BTC cair para $3.800 na maioria das trocas e $3.600 na BitMEX. Desde então, o ativo digital se recuperou lindamente, mais de 210%.

De acordo com a MPL, os lucros móveis e mostrando os lucros e perdas das transações de bitcoin em um determinado dia, tanto 2019 como 2020 têm sido anos atípicos e caóticos, e “grandes eventos cruzados de tal freqüência são sem precedentes em mais de 10 anos”.

O indicador de mudança nas participações (CHI) que permite ao usuário escolher um período no preço do bitcoin e visualizar a mudança líquida nas participações do BTC nesse período aponta $12.000 como a última grande resistência, que é a zona de maior equilíbrio dos compradores.

Como temos visto há mais de quinze dias, o ativo digital tem trabalhado muito para sair deste nível. Desde o início deste mês, o preço da BTC saltou duas vezes acima deste nível, só para voltar a cair.

No entanto, os futuros de bitcoin da CME já estão acima de $12k junto com os contratos de setembro em outras bolsas. Portanto, não vai demorar muito quando atingirmos este nível e depois passarmos para novos patamares.

Digital Bitcoin loophole Priority List: Germany lags behind

While the German-speaking Bitcoin and Blockchain community is growing steadily, the authorities are struggling with adaptation. The digital priority list states that there are numerous requirements in the field of digitisation.

But the Bitcoin loophole mills are grinding slowly

On 29 August, the Liechtenstein government published a 179-page consultation report to create a legal basis for Bitcoin loophole regulation. The aim is to give investors, entrepreneurs and businesses more legal certainty when dealing with block chains. An important step towards adaptation and a major leap forward for Liechtenstein in terms of technical innovation. And Germany? Orders its priorities.

For example, a study conducted in cooperation between the F.A.Z. Institute and Sopra Steria Consulting shows that seven percent of the federal, state and local administrations surveyed provide a budget for blockchain projects. Here it is above all an increase in efficiency that could oil the slow mills of the administrative apparatus:

“The technology is particularly suitable for the federal, state and local governments to complete complex processes with many simultaneously involved parties more quickly. State benefits, such as unemployment benefits and BAföG, could be paid out without each transaction having to physically pass through many hands until it is legitimized.

Lack of skilled workers calls for automation

To this end, it is of interest to automate more activities, especially in view of the shortage of skilled workers. Two percent of the administrations surveyed had therefore “already” invested in AI solutions. Nevertheless, the respondents are optimistic about the future. As the study continues to show, this share is expected to rise to 16 percent by 2020: Specific fields of application are the analysis, categorization and distribution of citizen enquiries and applications.

According to the report, considerable progress is also expected to be made on mobile devices in order to optimize processes:

“Mobile devices are also changing the work of administrative staff. One example of this is the ‘Mobile Workplace’ pilot operation launched by the Rhineland-Palatinate police in October 2017. Here, the connection of mobile terminals offers many advantages, for example by allowing data on traffic accidents or criminal charges to be entered directly on site or data from the residents’ registration system to be retrieved and checked.”

Germany and the missed revolution

Furthermore, the administrations wanted to finally manage to implement the e-file. For “paperless file management”, 38 percent of the respondents want to use “a considerable share of the budget” by 2020. In fact, 57 percent of administrative decision-makers are already in the implementation phase with the electronic file.

However, Germany needs a solid legal basis before the blockchain technology can be adapted. And it will probably be some time before that comes. The topic of “blockchain” is included in the coalition agreement. But BaFin and the government are still struggling at the moment. The “world” hit the nail on the head already in February: “Germany misses already again an Internet revolution”.